Eu fiz para Você …

01/06/2007

OBJETIVO: fazemos o que está ao nosso alcance para valorizarmos e mostrarmos o quanto é importante o nosso colega?

MATERIAL: lápis colorido ou canetas, retângulos de papel, cartolinas ou papel ofício recortados em formato de camiseta ou bandeira

COMO APLICAR: escreva o nome de cada aluno nos retângulos de papel e distribua pelo grupo. Verificar se alguém tirou o próprio nome e trocar. Pedi que todos mantenham segredo sobre o nome sorteado. Explicar ao grupo que a missão de cada um é fazer uma camisa ou bandeira para oferecer ao colega cujo nome está com você. Cada um poderá criar um slogan, um desenho, uma palavra que reflita o que o colega representa.

Este é um exercício de amor ao próximo através de nossas atitudes e do cuidado com o outro. Após a entrega da camisa simbólica, observar:

– como foi feito a tarefa? com capricho ou com má vontade?

– você vestiria a camisa que você ofereceu?

– a que você recebeu combina com você?

– a mensagem ou slogan é positivo?

– como as camisas foram recebidas?

– percebemos o carinho e a valorização feita por quem nos tirou?

– representamos mais valores positivos ou negativos?

– você se sentiu a vontade da forma como foi representado?


Varal de Sentimentos

01/06/2007

OBJETIVO: conhecer melhor os sentimentos e como lidamos com eles, como nos relacionamos conosco, com nossa família ou com outras pessoas.

MATERIAL: barbante, papeis recortados, lápis, clips ou pregadores de roupas

COMO APLICAR: pendure o barbante ao longo da sala como um varal para secar roupas. Faça diferentes formatos de recorte no papel, como por exemplo, nuvem, raio, sol, estrela, gota, coração, lâmpada, balão. Faça quantidades suficiente para que todos recebam pelo menos um papel e que haja repetição de formas. Se sua turma for muito grande você pode dividi-la em grupos menores que trabalharão em cima de um formato escolhido em consenso. Explique a turma que iremos conversar sobre sentimentos e as sensações que eles nos causam. Deixe cada um escolher o formato de recorte relacionado ao sentimento que irá descrever ou que possui como característica marcante. Por exemplo, o recorte em forma de raio se relaciona a raiva, cólera, impaciência. O recorte em forma de nuvem pode ser relacionado a paz, a calma, a mansietude. Você pode facilitar listando no quadro o nome de sentimentos. Peça que cada um escreva de um lado do papel o nome do sentimento, e do outro lado do papel, uma situação que ele tenha vivido em relação a este sentimento, pela facilidade ou pela dificuldade de lidar com ele. Não é necessário identificar quem escreveu. Vá pendurando os papéis a medida que forem acabando de escrever. Quando todos tiverem colocados seus sentimentos no varal, chame alguém do grupo e peça para escolher um dos recortes, virar o papel e ler para o grupo o que está relatado. Pendurando o outro lado escrito no varal, ele irá falar, acrescentar informação, discutir ou dar solução ao que foi escrito no recorte. A discussão é aberta para todos. Chame outra criança para falar sobre outro sentimento e assim, vá chamando e conversando até que todos os recortes tenham sido virados no varal.


Anjo da Guarda

04/05/2007

OBJETIVO: mostrar ao grupo que estamos sempre acompanhados de Benfeitores Espirituais, de Protetores e Guias, bem como de nossos Espíritos Familiares. Explique ao grupo quem são e porque eles cuidam de nós.

MATERIAL: retângulos de papel e lápis, uma caixa ou sacola para colocar os papéis para sorteio.
COMO APLICAR: Escreva o nome de cada aluno no papel e dobre, colocando-os na caixa. Toda a turma irá retirar um nome da caixa, como um amigo secreto, sendo que ninguém deve retirar seu próprio nome. Cada aluno irá ser o Anjo daquele que sorteou e, dessa forma, também terá seu Anjo, pois seu nome será retirado por um colega. Se a sua turma for grande, você pode formar famílias de dois ou três componentes, ou seja, um Anjo estará protegendo um grupo. Estabeleça uma série de tarefas em que cada Anjo irá aconselhar, intuir, ajudar ou interferir. As tarefas devem variar de simples, em que se precisa de pouca ou nenhuma ajuda, a tarefas mais complexas, onde a ajuda e os conselhos são necessários.
Exemplo:

– mudar de bairro

– interromper os estudos

– irmãos com dificuldade de relacionamento

– pais ausentes

– saber do roubo de uma prova na escola

– mentir por alguém

– espalhar algo que lhe foi confidenciado

– receber um troco errado

– falta de respeito as pessoas

– maltratar bichos
– cuidar da natureza

– desperdício de comida

– palavrões e brigas

– não adquirir vícios

Ao final, conversar com a turma sobre como foram dados os conselhos, que atitudes foram seguidas, que atitudes foram repensadas, se prestamos atenção aos conselhos, se o conselho ou ajuda teve papel preponderante, o que isto acrescentou no meu modo de viver.


A Reforma

16/04/2007

OBJETIVO: todos sabemos que o caminho para a melhora é a reforma íntima e a Doutrina dos Espíritos, tirando nossas dúvidas, convidando-nos ao conhecimento de nós mesmos, nos mostra os caminhos que devemos seguir.

MATERIAL: a planta baixa de arquitetura de uma casa e seus cômodos. Se você preferir, leve uma casa desenhada e escreva o nome dos cômodos lado a lado, no quadro. Ou então, leve fotos , retiradas de revistas, dos ambientes que serão trabalhados.

COMO APLICAR: Apresenta-se ao grupo a planta básica de uma casa : garagem, varanda, sala, 2 quartos, cozinha, banheiro, área de serviço e jardim. A idéia é promover uma grande reforma na “casa” íntima de cada um, a partir dos questionamentos levantados e descobertas do que se deve mexer. Sugere-se as mudanças a serem realizadas de acordo com o cômodo:

GARAGEM – definir se o que estamos deixando entrar e sair em nossa vivência cotidiana está em conformidade com o mque acreditamos e queremos para nós e seguem os ensinamentos do Mestre e sua Doutrina;

VARANDA – É o espaço que antecede a entrada em nosso espaço íntimo; o que se deve fazer para manter o que não é desejável do lado de fora;

SALA – É o primeiro espaço interno; é onde aqueles que não são muito íntimos ficam, mas onde devem ser bem recebidos e aconchegados;

QUARTO 1 – O quarto do pensamento: como anda a arrumação de nossas idéias?

QUARTO 2 – O quarto do coração: como anda a arrumação de nossos sentimentos?

COZINHA – É o local mais aconchegante da casa, a fábrica das nossas idéias e sonhos, tem que estar bem aparelhada para que produza com qualidade;

BANHEIRO – É o local onde despachamos as coisas que não nos fazem bem, que não queremos mais conosco.

ÁREA de SERVIÇO – Estamos utilizando a nossa capacidade de servir? Como? Pode melhorar?

JARDIM – o que estamos fazendo pelo nosso planeta? como nossas ações individuais e coletivas interferem? o que deve e pode ser mudado?

Você pode fazer o exercício em grupo ou individual. Cada um vai sugerindo como alterar a sua planta ou a do grupo. O importante é que tenhamos consciência do que podemos e do que queremos mudar.


Realidade ou Fantasia

03/04/2007

OBJETIVO: sabemos discernir o certo do errado, a realidade da ficção? ou estamos tão envolvidos na história da novela, no programa de tv, que nem percebo mais o quanto estou sendo influenciado?
MATERIAL: quadro-negro e giz ou retângulos de papel
COMO APLICAR: escrever no quadro ou no retângulo de papel, colocando lado a lado, cinco nomes de programas de tv (exemplo: BigBrother, Faustão), novelas do momento, filme ou desenho animado que o grupo gosta de assistir ou está na moda. Os alunos irão agrupar-se por nome escolhido (grupo do BigBrother, grupo da novela, etc). Deixar que eles conversem entre si, descobrindo o porquê da escolha de determinado tema. Pedir que cada grupo tenha um representante que irá expor aos demais o que foi conversado. Refletir:

– em que se basearam as escolhas

– se foram avaliados pontos positivos e negativos

– se o que é apresentado pode ser comparado com nossa realidade

– se os valores estão invertidos

– se a pressão da mídia influencia

– se são programas essenciais para a formação do indivíduo

– o que poderia estar fazendo naquele momento se não existisse tal programa

– quanto tempo este programa ocupa em minha vida

– se tenho maturidade para entender o que estão me mostrando


O Teor de Nossas Vibrações

03/04/2007

OBJETIVO: conscientizar o grupo de que vivemos inseridos em uma sociedade, seja na família, na escola ou no bairro em que moramos, onde tudo o que pensamos e fazemos reflete diretamente em todos. Somos emissores de energia boa ou ruim de acordo nossas vibrações.

MATERIAL: uma bacia com água, bolinhas de pingue-pongue (ou bolinhas de papel amassado), bolinhas perereca (ou pedrinhas de aquário).

COMO APLICAR: colocar a bacia com água no centro do grupo. Distribua uma bolinha de cada tipo a cada aluno. Peça que joguem a sua bolinha, um de cada vez. Observar o que aconteceu. No momento em que a bolinha toca na água, círculos se formam e se expandem por toda a área. Comparar as bolinhas com nossos sentimentos e pensamentos. A bacia pode ser comparada a escola ou ao bairro onde moram. Mostrar ao grupo como podemos espalhar vibrações mais leves de felicidade, amor ao próximo, solidariedade, etc, ou vibrações mais pesadas de inveja, ciúmes, ódio, etc. Evidenciar o tamanho da bolinha, que apesar de tão pequena, espalha-se rapidamente.

Pedir que algumas crianças contem experiências onde, sabendo melhor o que é vibração, tenham influenciado o desfecho.

Refletir, que tipo de vibração eu passo:

– na família

– na escola

– no planeta

– tenho consciência deste alcance?

– já percebo como influencio o meio?

– como posso “educar” minhas vibrações?

– o que podemos fazer juntos para melhorar a vibração no planeta?


Máscaras

26/03/2007

OBJETIVO: muitas vezes tentamos passar uma imagem daquilo que não somos e acabamos acreditando que somos daquele jeito, ficando decepcionados quando o outro não nos vê com a máscara que criamos. Se agirmos de acordo com nossos ideais, sem exigir sermos o que o outro espera que sejamos ou aquilo que não somos, seremos mais verdadeiros e honestos conoscos e, portanto, mais felizes.

MATERIAL: folhas dobradas ao meio, lápis e borracha para todos.

COMO APLICAR: colocar o nome do aluno, um a um (por exemplo, ao fazer a chamada) em cada folha dobrada, escrevendo dentro da folha e no alto. Distribua as folhas e os lápis ao grupo com o cuidado de não entregar o nome do aluno ao próprio aluno. Depois de todos receberem o material, pedir que abram a folha e escrevam alguma coisa sobre a pessoa cujo nome está no papel. Após algum tempo, pedir que troquem com o amigo do lado. Após três ou quatro trocas e mensagens escritas, recolher os papéis do grupo. Dessa forma, cada aluno vai ter uma pequena avaliação sobre si mesmo feita pelos amigos. Pedir que alguém inicie a exposição do trabalho falando de si mesmo e o que escreveria em seu próprio papel.

Observar:

– foi parecido com o que escreveram sobre mim?

– eu passo a imagem do que realmente sou?

– o que preciso trabalhar?

– o meu grupo me conhece como eu imaginava ser conhecido?

– algum comentário me surpreendeu?


Que Brilhe a Vossa Luz…

20/03/2007

OBJETIVO: (Mt 5:16) a beleza deste convite é saber que podemos brilhar e que só depende de nosso esforço em fazer algo de bom a cada dia, é querer melhorar, não repetir erros, ter esperança, ter gratidão, ter bom humor, sorrir, amar e perdoar para um dia, finalmente, seguir-mos Jesus. Quanto mais usamos nossos dons, mais eles se desenvolvem e se tornam visíveis e iluminam a nossa volta.

MATERIAL: 4 ou 6 cartolinas pretas (depende do número de crianças), estrelas recortadas em cartolina amarela, lápis, fita crepe, cartolinas extras para atividade final e tesoura.
COMO APLICAR: fixar no quadro-negro ou na parede as cartolinas pretas que representarão o céu. Escreva, ao lado do céu, uma lista de adjetivos. Converse com o grupo sobre o que é cada adjetivo. Distribua as estrelas para o grupo e peça que eles escrevam o próprio nome no centro da estrela.

Cada um irá ler silenciosamente as qualidades listadas e escrever nas pontas de sua própria estrela ‘aquelas que sabe possuir. Aos poucos, cada criança irá colar sua estrela no céu.

Conversar com as crianças:

– temos qualidades para brilhar?

– o que me falta para possuir mais qualidades?

– consegui perceber qualidades que pensava não ter?

– qual qualidade foi mais citada?

– o meu brilho irradia a minha volta ou as minhas qualidades refletem só para mim?

– o céu ficou mais bonito com o brilho das estrelas?

– o que podemos fazer para iluminar outros ambientes também?

Ao final, criar com o grupo astros maiores, como um sol, um cometa, para pessoas que são bons exemplos e listar suas qualidades.

Lista de qualidades e adjetivos: alegria, sinceridade, bondade, delicadeza, justiça, tolerância, carinho, simplicidade, otimismo, confiança, obediência, entusiasmo, coragem, gratidão, solidariedade, respeito, paciência, fé.


Desejos

16/03/2007

OBJETIVO: conhecer melhor o grupo através de seus valores, maior integração por compartilhar seus desejos.

MATERIAL: balões de encher (bexigas) da mesma cor, retângulos de papel e lápis.

COMO APLICAR: afastar mesas e cadeiras para criar um espaço aberto e limpo. Após entregar os papéis e lápis a cada aluno, pedir que eles escrevam o seu maior desejo sem colocar o nome se identificando. Entregar o balão para que cada um coloque dentro o papel com seu desejo, encha e amarre com um nó.

Com os balões cheios, pedir que todos brinquem, soltem, joguem para o alto, de modo que os balões se misturem.

Ao final de um pequeno tempo estabelecido, cada um deve pegar um balão, estourá-la e retirar o desejo nela contido. Se o seu grupo for muito grande, faça um por um e o restante da turma vai assistindo, para que não haja muita bagunça.

Peça que eles:

– conversem sobre o desejo retirado

– verificar se é importante para quem o tirou

– como podemos contribuir para que este desejo se realize

– o que senti ao compartilhar meu maior desejo

– qual a importância de saber o desejo do outro

– se os desejos foram mais materiais ou espirituais


Explorando a Auto-estima

12/03/2007

OBJETIVO: auto-estima é a forma como uma pessoa se sente a respeito de si mesma e está estreitamente relacionada com o contexto social em que vivemos e nos relacionamos, como a família, a escola, os amigos. Todo dia enfrentamos situações que afetam nossa auto-estima, tanto positivamente, quanto negativamente.

MATERIAL: massinha de modelar
COMO APLICAR: entregue o material ao grupo, dizendo que este representa a nossa auto-estima. Você colocará uma série de situações ao grupo que podem prejudicar ou aprimorar como nos sentimos. Leia as frases e de acordo com a situação, se esta afeta muito, cada um irá amassar a massinha, destruir as formas construídas, pressionar entre os dedos, esmigalhar. Se a situação não incomoda ou não afeta muito, cada um irá construir algo, dar formas, melhorar o modelo, montar alguma coisa.

Ao final, observar:

– o grupo destruiu ou construiu mais?

– houve troca de idéias e cooperação?

– recuperamos nossa auto-estima na “construção”?

– que situação mais afetou ao grupo? e individualmente?

– o que podemos fazer para mantermos nossa auto-estima em alta?

Exemplos de situações:

– uma briga com um amigo
– você foi escolhido representante da sua turma

– seu professor elogiou seu trabalho na frente da turma

– sua mãe ou seu pai brigou com você

– você tirou uma boa nota na prova

– você não estudou e tem prova amanhã

– você não foi convidado para a festa

– seus amigos sempre o procuram para conselhos

– você recebeu um a carta de amor

– seu pai ou sua mãe te elogiaram

– seus amigos fizeram piada de seu novo corte de cabelo